O que fazer para se proteger da inflação no Brasil

Se proteger da inflação no Brasil é o desejo de todos, uma vez que a desvalorização da moeda, a dificuldade de importação e a diminuição do poder de consumo afetam de forma direta o nosso cotidiano, o nosso bem-estar e a nossa qualidade de vida.

Nos últimos tempos, com o fortalecimento do dólar em frente ao real, as modificações e crises em nossa política interna e a crise do novo coronavírus, cada vez mais pessoas têm se preocupado com a possibilidade de um aumento drástico na inflação.

Se isso acontecer, o que é possível fazer para proteger o seu patrimônio e o seu padrão de vida? Quais são os cuidados que devem ser tomados para que não sejamos levados por essa onda? A seguir, falaremos um pouco mais sobre a questão. Confira.

Como se proteger da inflação?

Ter dinheiro no banco ou manter suas economias na poupança, como sabemos, tende a não fornecer grandes vantagens ao investidor.

Em muitos casos, na verdade, ambas as opções guardam um grande perigo: em vez de “guardar” o dinheiro de forma segura, o investidor, com o passar do tempo e o aumento da inflação, vê seus investimentos perderem valor. Na prática, isso significa que ele está perdendo dinheiro.

A melhor opção para fazer o seu dinheiro render é buscar investimentos que rendem acima da taxa de inflação (e é preciso estar atento a ela, visto que é variável e impactada por uma série de agentes internos e externos).

De acordo com o Conselho Monetário Nacional, a meta da inflação é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual (para cima ou para baixo). Isso significa que o limite inferior é de 2,5, enquanto o superior atingiria 5,5%.

Para 2021, a meta de inflação é 3,75%. Para 2022, 3,5%. Para 2023, por fim, espera-se que a taxa chegue a 3,25%, também com intervalo de 1,5 ponto para cima ou para baixo.

O investidor que deseja se proteger da inflação deve olhar para os investimentos de renda fixa. Algumas opções interessantes incluem:

Títulos de renda fixa com lastro em empréstimos

Nesta modalidade de investimento, o investidor empresta dinheiro para o emissor do título, que pode ser um banco, instituição financeira ou o próprio governo.

A vantagem deste investimento está no fato de que ele costuma render muito mais que a inflação. A desvantagem, por sua vez, está no fato de que a oferta dos títulos de renda fixa com lastro em empréstimos não é constante, o que faz com que eles sejam tremendamente concorridos.

Títulos ligados à SELIC

Quando a inflação está alta, o Banco Central tenta controlá-la. Para tal, é costume aumentar a taxa de juros SELIC. Em Setembro de 2020, a taxa estava em 2,00% ao ano, com rendimento mensal de 0,16%.

Uma opção interessante e que possui liquidez diária são os fundos DI. Além disso, vale apostar nos títulos do Tesouro Direto indexados à SELIC, especialmente se você for um investidor com baixa tolerância à perdas e estiver em busca de um ativo com baixo risco.

CDB

Sigla para Certificados de Depósito Bancário, ocorrem da seguinte maneira: o investidor interessado empresta dinheiro para bancos privados, que fazem uso dele para financiar atividades, expansão, etc.

Os CDBs têm liquidez diária após um período de carência inicial; além disso, têm aplicação garantida pelo FGC. Por que isso é importante? Porque, caso algo saia do controle, o Fundo Garantidor de Crédito reembolsará o investidor em até 250 mil por CPF, por instituição ou conglomerado financeiro.

A dica é observar, na hora de escolher o CDB, os prazos (eles variam de três meses a cinco anos) e o rendimento: opte pelos títulos que rendem mais de 100% do CDI.

LCA, LCI

Letra de Crédito do Agronegócio, também conhecido como LCA, é o título que visa financiar empréstimos, como o nome sugere, para o agronegócio. O LCI, por sua vez, significa Letra de Crédito Imobiliário – portanto, é um título emitido para financiar empréstimos dados ao setor de imóveis.

São opções interessantes para os investidores porque são isentos de Imposto de Renda. A desvantagem, porém, está no preço para adquirir os títulos em questão: visto que possuem grande porte, podem custar muito caro. Se você não sabe qual é o melhor título de renda fixa para o seu perfil de investidor ou está em dúvida sobre o caminho a seguir, converse com uma corretora idônea: desta forma, você terá o auxílio de especialistas para decidir onde investir o seu dinheiro.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.