Rio de Janeiro lança cartilha para funcionamento de bares e restaurantes

A cidade do Rio de Janeiro lançou recentemente uma cartilha para determinar como será o funcionamento de bares e restaurantes durante o momento de pandemia do novo coronavírus. Isso é necessário para poder estabelecer um padrão para poder organizar melhor a reabertura de restaurantes e bares de modo a não prejudicar ninguém e não colocar os trabalhadores ou consumidores em risco. Isso é necessário pois a reabertura é uma das formas de evitar que suba o número de bares e restaurantes que tiveram de fechar as portas permanentemente por causa do novo coronavírus (7% de todos os estabelecimentos do tipo já faliram desde o início da pandemia).

A cartilha foi desenvolvida pela Abrasel RJ (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Rio de Janeiro) e conta com recomendações e guias que devem ser adotadas pelos empresários do setor desde o dia 2 de julho deste ano, quando entrou em vigor a fase 3 do Plano de Retomada da economia liderado pela Prefeitura da cidade.

A ideia da cartilha é criar as normas que permitirão que as empresas possam deixar de trabalhar apenas com o Rappi Rio de Janeiro (ou outro aplicativo de delivery qualquer) e possa atender os consumidores de maneira segura para todos os envolvidos, reduzindo ao máximo o nível de contaminação pelo novo coronavírus e o espalhamento da Covid-19. Uma das principais orientações descritas na cartilha é em relação ao distanciamento entre as pessoas dentro dos restaurantes. Afinal, essa é uma das principais preocupações por quem quer prevenir o novo coronavírus, já que ele se espalha em um raio específico de quem está contaminado.

De acordo com as regras, o é essencial que o restaurante respeite um distanciamento mínimo de 4 metros quadrados entre os clientes que não estão juntos. Ou seja: suponha que duas famílias diferentes vão comer em um determinado restaurante. Uma família deve ficar 4 metros quadrados de distância da outra, ainda que eles permaneçam juntos entre si. Na prática, como o restaurante organizará esse número de pessoas é livre. Por exemplo, se um restaurante tiver 40 metros quadrados de área em seu salão, só poderá ter 10 mesas, desde que elas não fiquem muito lotadas, claro.

Além do distanciamento entre as pessoas, a cartilha também recomenda que o cardápio dos restaurantes seja alterado. Idealmente, o restaurante deve tentar abolir o menu físico, pois a troca do documento entre os clientes pode transmitir o vírus. Assim, o ideal recomendado pela cartilha é usar um cardápio digital acessado por um QR Code nos celulares dos clientes, que usam câmeras para isso. No entanto, caso não seja possível, existem várias sugestões diferentes. Por exemplo, uma delas é criar uma lousa e escrever os itens lá, para que todos possam ver. Outra sugestão é plastificar o cardápio de modo que ele possa ser higienizado com álcool gel após o uso por parte de um cliente.

Outra recomendação da cartilha em relação ao atendimento aos clientes é disponibilizar álcool gel 70% nas entradas do restaurante, além de pontos estratégicos do estabelecimento. A ideia é que o cliente possa sempre ter uma garrafa à mão para poder limpar as mãos e evitar o risco de contaminar outras partes do estabelecimento. O mesmo deve ser feito com comandas individuais, caso existam. Além disso, não é nem preciso lembrar, mas é essencial reforçar a higienização de pisos e outras superfícies com produtos que ajudem a matar o novo coronavírus.

A cartilha também conta com medidas para serem adotadas dentro das cozinhas dos mais de 15 mil bares e restaurantes do Rio de Janeiro (10 mil deles só na Cidade Maravilhosa). Por exemplo, é recomendado que um espaço seja destinado apenas para higienizar alimentos crus, como verduras, legumes ou frutas. Afinal, como eles não serão preparados com o calor, eles devem ser higienizados antes para evitar que sejam vetores do vírus. Uma das melhores formas de limpar os alimentos, de acordo com a cartilha, é misturar aproximadamente 10 ml de água sanitária para um litro de água (desde que aquela marca de água sanitária possa ser usada em alimentos). Deixe na solução por dez minutos e depois enxágue bastante em água corrente para deixar bem limpo e sem riscos.

Essas regras e recomendações da Abrasel foram feitas seguindo as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Além disso, elas foram feitas também com um grupo de estudos com empresários do setor de bares e restaurantes, além de epidemiologistas e cientistas, de modo a encontrar um equilíbrio entre as principais práticas de prevenção ao novo coronavírus e o contexto dos bares e restaurantes do Rio de Janeiro.

Os empresários que seguirem as normas determinadas, ganharão um Selo de Qualidade para exibir aos clientes, tranquilizando-os assim e garantindo que mais negócios entrarão para o seu estabelecimento, uma vez que ele será conhecido por ser mais seguro e seguir as regras de prevenção ao novo coronavírus.

Deixe Seu Comentário Agora!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.